Com 10 milhões de views em 24h, clipe genial critica duramente o american way of life | 'This is America'



A "família de bem" nos EUA acaba de levar um tapão na cara. Graças ao clipe emblemático "This is America", de Donald Glover aka Childish Gambino. A música bota com força o dedo na ferida, escancarando as bads da sociedade norte-americana.

Cheio de referências e simbolismos, o clipe que bateu 10 milhões de visualizações no Youtube em 24 horas [recorde ainda é de "Hello", da Adele, com 23 milhões] faz críticas contundentes ao racismo, à política de armas dos Estados Unidos e até a cultura pop, acusada de alienar pessoas.


O "tiro" de Glover marca o retorno do ator, roteirista, humorista e músico ao alterego e projeto musical "Childish Gambino", que não lançava nada novo desde 2016. Para a direção do clipe, o rapper chamou Hiro Murai, que trabalhou com ele na série "Atlanta".


"This Is America" estreou no sábado, no programa Saturday Night Live, em que Glover era o apresentador convidado. O buzz em torno do clipe está sendo enorme. Muitas pessoas tentam encontrar referências e levantam teorias sobre o clipe.

Uma delas diz sobre a expressão corporal de Gambino que remete a Jim Crow, figura caricata e racista da cultura norte-americana do século 19. Comediantes faziam black face e encarnavam um personagem burro e maltrapilho que dançava feito bobo, muito popular durante o período das leis de segregação racial nos EUA [1876 a 1965]. Foram as leis de Jim Crow que institucionalizaram a segregação racial no país.




De fato, cada detalhe do clipe foi cuidadosamente pensado. O rapper utiliza armas de fogo duas vezes durante as cenas. Em ambas situações, armas são tratadas com cuidado e até certa deferência, enquanto as pessoas não passam de corpos a serem arrastados e esquecidos.

Isso vem sendo considerado uma crítica ao sistema de armas norte-americano e ao tratamento desigual dispensado aos negros pela polícia no país.


As dancinhas, que lembram as de filmes da Disney e séries adolescentes, como "High School Musical" e "Glee", têm a intenção de tirar a atenção do espectador do caos que acontece ao fundo, revelou a coreógrafa, Sherrie Silver.

Sherrie Silver não só criou a coreografia, como também aparece no clipe:




Claramente, a coreografia é uma crítica à cultura pop norte-americana que, para Gambino, ajuda a camuflar os problemas em vez de denunciá-los.

Quer mais referências? Então, toma esse combo. Dá o play:



Nomes como Erykah Badu, Janelle Monáe, Trent Reznor e outros artistas aclamaram o clipe. Polêmico, o trabalho também tem recebido críticas que vão desde a "violência explícita no vídeo é desnecessária" até o fato de o cenário não ser característico apenas dos Estados Unidos.


Com 65,6 milhões de visualizações até o momento, o clipe deve gerar assunto por mais um bom tempo. Confira no player que abre o post.

Veja também:

Marielle Franco e Direitos Humanos: Gregório Duvivier manda o papo reto na estreia da 2ª temporada do Greg News
O 'melhor' resumo do Brasil em um vídeo de 15 segundos
Marielle Presente: morte de ativista comove brasileiros e repercute no mundo
Bolsista da PUC-SP, filha de empregada doméstica, faz discurso de formatura poderoso e emociona a internet: 'Resistência'
Uma corrida valendo dinheiro e uma lição de vida comovente e necessária
Temos mais em comum do que pensamos: em tempos de ódio, um vídeo emocionante e necessário
Sobre altos e baixos e as voltas que a vida dá
Dove é acusada de racismo e se desculpa após treta nas redes sociais
Metrô Rio é acusado de racismo em painel
O tweet mais curtido da história: Barack Obama cita Nelson Mandela e mensagem bate recorde de likes
Feliz Dia das Crianças: felicidade tem cor?
Budweiser provoca pessoas a ser quem elas quiserem. Nova campanha é ode à liberdade
Comendo bolinhos com Deus | Eating Twinkies With God
As dores e delícias de sermos humanos: documentário emocionante sobre o sentido da vida
Tá No Ar gera polêmica com "comercial" que critica privilégio racial - Branco do Brasil

0 comentários: